Photo
Tem momentos que o melhor lugar é o abraço

Muitas vezes um abraço silencioso é o bastante e o suficiente naquele instante.

O abraço ajuda a reduzir os batimentos cardíacos acelerados e o risco de doenças cardíacas; assim como, ajuda a fortalecer o sistema imunológico também, vocês sabiam?

Abraçar traz felicidade e afeto. Gera vínculo e parceria. Reciprocidade e cumplicidade!

Quem você gostaria de abraçar hoje?

Você já deu um abraço por hoje? 🤗

 

✅ Siga-me no Instagram: @karinamourademoura

 

Photo
Celebre a vida!

Sua vida merece ser celebrada!

Você ter chegado até onde chegou... já é uma VITÓRIA. Celebre sua conquista!

Sabe aquele 1kg apenas, que você eliminou, e achava que deveria ter sido 5kg?! 🤔

CELEBRE esse 1kg!!! Você quem conquistou essa mudança.

Nossas mudanças são sempre uma construção 🚧 e um processo. E esse processo (conhecido como VIDA) deve ser celebrado por você!

Sabe aquela nota 📝 da prova que você quase fechou? Então... celebre!!! Celebre seus passos e suas conquistas encarando-as como SUAS VITÓRIAS!

E você tem celebrado sua vida?

 

Por: Karina Simões Moura de Moura

🌐 siga-me no Instagram: @karinamourademoura.

 

Photo
Nossos erros são os nossos mestres

O nosso erro é quem mais pode nos ensinar! Já pensou sobre isso?
Temos dentro de nós um grande mestre, professor e aliado: os nossos ERROS e as nossas falhas!
Transforme seus erros em ENSINAMENTOS . Mas para isso, você precisa aprender a enxergar e a aceitar que errou e ai sim, transformá-los em aliados para as mudanças. 
Erramos quando nos negamos a aprender; erramos quando não aceitamos uma falha; erramos porque desistimos de tentar; erramos quando não enxergamos que uma insistência pode ser também um engano... 
Pense: nossos erros são oportunidades  para nos tornarmos pessoas melhores do que somos! 
Como você enfrenta os seus erros? 


Siga-me no Instagram: @karinamourademoura

Photo
Relacionamento abusivo, você sabe identificar?

Como sempre me refiro, meu consultório é um “laboratório” textual e de vida. É de lá que me inspiro, muitas vezes, para escrever minhas colunas. Diante da alta demanda na minha escuta clínica, não poderia deixar de alertar sobre o tema em questão: relacionamento abusivo, você sabe identificar?

Relacionar-se não é fácil. Nos dias de hoje com as interferências externas das redes sociais, cada vez mais presentes nos relacionamentos, tem se tornado um desafio diário para o casal aprender a conviver. O relacionamento abusivo muitas vezes se camufla de um “relacionamento protetor”, mas esse disfarce não costuma durar. Logo começa a aparecer sinais do quanto abusivo pode ser. O jogo de controle, os ciúmes, a violência psicológica e física dentre outras características descrevem um relacionamento abusivo.

Todo o processo abusivo é crescente. Cada vez mais a necessidade de controlar o poder sobre o outro vai ganhando espaço se não houver a devida interrupção. Uma boa forma de ver sinais de abusos é perceber o que é possível para uma parte não é para outra. A desigualdade de comportamentos e ações entre um e outro (casal) pode ser um sinal de controle fruto de uma “autoridade” abusiva. A aceitação à submissão precisa de uma atitude que não é fácil de romper. O medo controla a situação e faz da vítima refém das atitudes que geram danos psíquicos incalculáveis. Por isso não é fácil romper, e logo se estabelece uma relação de sequestro emocional.

O sofrimento de um dos dois envolvidos é a medida de aferição para observação e indicação do abuso na relação.

Aponto alguns sinais de alerta de um relacionamento abusivo: ciúmes excessivo, chantagem, ar de superioridade, promessas feitas constantemente de perdão e privação como punição por algo.

Enfim, se você tem vivido algo parecido, ou conhece alguém com essas características de relacionamento, é indicado que procure ajuda de um profissional de psicologia urgente, com experiência em casais e mediação conjugal. Como nos disse certa vez Jacinto Benavente: “onde há amor não há sacrifício”.

Fica aqui meu pedido de alerta!


Texto disponível também em minha coluna UOL:
http://www.vyaestelar.com.br/post/10837/relacionamento-abusivo-voce-sabe-identificar

Photo
Ortorexia: Você sabe o que é?

Numa época em que o fitness e o vegano são a moda da vez, fica difícil abordarmos um tema tão polêmico muito presente em consultórios de psicologia e psiquiatria: a ortorexia. Você sabe o que é?
 
Então, o termo vem do grego orthos, significando correto, somado ao termo orexis que é apetite. Embora o termo tenha sido criado em 1997 pelo médico americano Steven Bratman que identificou o distúrbio, esse é, ainda, um distúrbio do comportamento alimentar pouco conhecido e caracterizado por uma obsessão por comer alimentos saudáveis, seguindo uma busca incansável por regras e normas de uma alimentação que se julga ser a mais saudável e correta. O problema é que a pessoa acometida desse distúrbio começa a excluir muitos alimentos indiscriminadamente, seguindo informações obtidas através de redes sociais, muitas vezes, e assim vai se prejudicando na verdade, e não se  autoajudando como imagina. O segundo grande prejuízo observado nessas pessoas, percebe-se diante da demanda dos consultórios de psicologia e psiquiatria, é a exclusão social, ou seja, as pessoas ortoréxicas passam a ficar “antissociais”, a não participar de eventos sociais, a negar convites de amigos, etc., por não comerem as comidas oferecidas, ou mais ainda, para não se depararem com a “tentação” da comida e acabarem colocando a perder todo “sacrifício” feito com a restrição alimentar. 
 
O isolamento vai fazendo parte do sintoma da ortorexia. A pessoa passa grande parte do tempo planejando e pensando sobre a alimentação “saudável”. “Prefiro não sair e ficar em casa vendo série o fim de semana todo a sair e me deparar com as tentações alimentares”, frase que escutei certo dia na clínica.
 
Diferentemente dos transtornos alimentares como anorexia e bulimia, a ortorexia não está preocupada com o que a autoimagem reflete ou com o que o espelho mostra. Mas, sim, a preocupação central está na obsessividade por consumir apenas o correto e puro para o organismo de forma distorcida e exagerada. Assim, estabelece-se um caminho de busca incansável e sem fim por uma dieta ideal. Mas como o ideal não existe, a busca é infindável. Desse modo, cada vez mais, as distorções de pensamentos e das emoções da pessoa vão aumentando, resultando no seu adoecimento psíquico.
 
Fica aqui, então, o apelo para se buscar sempre profissionais da área de nutrição, endocrinologista ou nutrologia a fim de se ter um melhor acompanhamento juntamente com um psicólogo, para que assim a dieta corporal não afete a sua dieta cognitiva. 
 
Se a sua opção é pelo que lhe faz bem, comece pela certeza de que nenhum exagero é maior do que a moderação! 
 
Texto também disponível em minha coluna UOL: 
http://www.vyaestelar.com.br/post/10764/ortorexia-voce-sabe-o-que-e