Photo
Muitos conflitos na comunicação com o seu par? Terapia de casal pode ajudar

Na minha prática clínica, há quase duas décadas atendendo casais, consigo perceber pela demanda que me procura para ajuda, o quanto a comunicação é fundamental para se ter um bom relacionamento. É como se escuta por ai: “eu sou responsável pelo que eu falo e não pelo o que você escuta”.
Nos casamentos, essa premissa fica bastante hiperbolizada, pois os casais entram em conflitos, chegando a deixar essa convivência (ou relacionamentos) numa “UTI” conjugal. Expressão que costumo usar pra explicar a gravidade que uma relação pode chegar a se encontrar.

Assim, devido à má comunicação, muitos casais nos recorrem para fazer acompanhamento em Terapia de Casal. Nestes casos, ajudamos a promover o que funciona bem nesse casal, a desenvolver novas perspectivas da relação reforçando sempre o que tem de positivo, interrompemos os padrões de comportamento que não mais funcionam e treinamos novos comportamentos mais adaptativos, facilitando assim, a comunicação e a expressão desses sentimentos.

A generalização é uma forma de expressar-se bastante usada nos casais em crises crônicas. Ou seja, a pessoa se expressa sempre dando um tom que agride o outro e impede a compreensão na cumplicidade. Como o termo mesmo diz, generaliza a situação. Por exemplo: “você sempre me critica” ou “você estraga tudo que faz”. São formas de falar bastantes generalistas que impedem um grau de compromisso e compreensão na conjugalidade.

Assim, encorajamos uma mudança de atitude conjugal diante de um treino de habilidades sociais e ensinamos comportamentos e falas aos casais dentro da realidade de vida de cada um. Não há uma fórmula pronta, e o que pode servir pra um casal, pode não servir para outro. Reforçando o treino sempre com foco na psicologia positiva.
Fazer as pessoas enxergarem que a busca de um caminho conjugal feliz não está no “ter razão”, e sim numa corresponsabilidade conjugal diante dos sentimentos. Costumo dizer que no “grito ninguém se ouve... e  a conjugalidade não acontece”.

Assim, esperamos que as pessoas possam cada vez mais ter acesso à psicoterapia de casal, que essa seja uma alternativa salutar e preventiva, para que a conjugalidade exista de verdade no coração das pessoas.

Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura

Texto disponível também em minha coluna UOL.

Photo
Ataques de pânico e Transtorno do Pânico: semelhanças e diferenças 

Vivemos numa sociedade alimentada por estímulos ansiogênicos, 24 horas por dia, num mundo repleto de violência e marginalizações. Numa sociedade líquida, como nos falou o grande sociólogo Zygmunt Bauman, onde se estabelece uma vivência de relações descartáveis, o medo acomete-nos invadindo em forma de insegurança, na verdade, chegando sem pedir licença e se instala.
 
Tem sido frequente escutarmos de pessoas que relatam terem sentido ataques de pânico. Na clínica, o número de pacientes só cresce, e a procura de ajuda diante de sintomas como o medo de morrer, taquicardia, insegurança e medo de perder o controle, por exemplo, tem aumentado cada dia mais. O depoimento do Padre Fábio de Melo que revelou ter o transtorno de pânico, de certa forma, ajudou a desmistificar um pouco o assunto, bem como muitas pessoas se sentiram mais confortáveis para poderem assumir o que também sentem, e, por motivos muitas vezes de preconceito, não revelavam.
 
Diante da enorme demanda na nossa clínica de pacientes à procura de tratamento com o diagnóstico de transtorno de pânico, percebi a necessidade e importância de esclarecer aqui um pouco a diferença entre “ataques de pânico” e o “transtorno de pânico”, assim como estabelecer a diferença do medo e da insegurança que vivemos hoje em relação ao pânico como um transtorno. Pois o medo é uma resposta nossa emocional a uma ameaça iminente real ou percebida, enquanto que a ansiedade é uma antecipação da ameaça futura.
 
Os transtornos de ansiedade de acordo com o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) se diferenciam do medo ou da ansiedade normal adaptativa por serem excessivos ou persistirem além de períodos apropriados ao nível de desenvolvimento. Muitos dos transtornos de ansiedade se desenvolvem na infância e tendem a persistir se não forem tratados.
 
Um ataque de pânico é um surto abrupto de medo ou desconforto intenso que pode alcançar um pico em minutos e segue com uma lista de sintomas físicos e cognitivos, tais como: palpitação, taquicardia, tremores, sudorese, sensação de falta de ar, náusea, medo de perder o controle, medo de morrer, dor ou desconforto torácico, desconforto abdominal, tontura, vertigem ou desmaio, calafrios ou ondas de calor, sensação de formigamento, sensação de desrealização (sensação de irrealidade), sensação de despersonalização (uma sensação de estar distante de si mesmo), etc.
 
O transtorno de pânico refere-se a ataques repetidos de pânico inesperados e recorrentes. A frequência e a gravidade desses ataques variam de forma considerável de paciente para paciente. É necessário mais de um ataque de pânico completo inesperado para que o diagnóstico do transtorno seja consolidado de acordo com o DSM-V. Existem consequências funcionais significativas para os pacientes com transtorno de pânico, pois tais pacientes apresentam níveis altos de incapacidade social, profissional e física. Eles podem com frequência se ausentar do trabalho ou escola.

Assim, viver nessa selva tornou-se um grande desafio. Tudo pode acontecer, literalmente, num clique.  Num mundo de insegurança o alerta está sempre ligado e não é sem razão que ataques de pânico sejam ocorrentes, afinal o perigo está a nossa frente ou, melhor dizendo, está dentro da gente. 


Texto disponível também em minha coluna UOL: http://vyaestelar.uol.com.br/post/10285/sera-que-tive-um-ataque-de-panico-ou-um-transtorno-de-panico

Photo
Transgêneros ou Disforia de Gênero: uma realidade que merece respeito

Um tema que tem despertado as mais diversas opiniões é a questão dos transgêneros. Uma telenovela tem mostrado o drama de uma família que vive tal situação. Muitos usaram as redes sociais para "brincar"  com o fato. Vi postagens como: "sou trans-rico: nasci rico num corpo de pobre". Por favor, isto é sério. Não vamos brincar com a dor do outro. 
Na clínica, deparamo-nos e conhecemos situações difíceis, que somente quem escuta pode avaliar o tamanho do sofrimento pelo qual uma pessoa transpassa. 
São pessoas que  vivem grandes conflitos, inclusive no seio familiar, enfrentando barreiras existentes em si, bem como outras muito maiores na sociedade e na família. Não é nada fácil. Não cabe um juízo de valor sobre o assunto. Não há escolhas. Não há culpados. Não há julgamento a ser feito. Há uma verdade que no mínimo merece o respeito, bastando apenas ler os estudos científicos sobre o assunto. Ninguém gostaria de viver uma situação como essa que já é difícil e, notadamente, quando é agravada pela discriminação. 
Repito: não se trata de aprovar ou não aprovar a realidade do transgênero. Não estamos falando em alternativas, de acordo com a verdade científica. Aliás, o próprio Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais (DSM- V) registra como Disforia de gênero, que se refere ao descontentamento afetivo/cognitivo de um indivíduo com o gênero designado. Transgênero refere-se ao amplo espectro de indivíduos que, de forma transitória ou persistente, se identificam com um gênero diferente daquele do nascimento. Transexual indica um indivíduo que busca ou que passa por uma transição social de masculino para feminino ou de feminino para masculino, o que, em muitos casos (mas não em todos), envolve também uma transição somática por tratamento hormonal e cirurgia genital (cirurgia de redesignação sexual).
Estamos, portanto, falando de uma verdade que vai muito além de uma possibilidade em ser ou não ser "transgênero". Pois não se trata de uma escolha, como a comunidade científica nos atesta! 
Aos "trans-ricos" que brincaram com essa dor nas redes sociais, fica o meu respeitoso apelo para não brincarem com o que é muito sério. 
Talvez isso baste para sermos mais ricos ou menos pobres de alma. Acima de tudo, respeito pelo outro! 

Texto disponível também em minha coluna UOL: http://vyaestelar.uol.com.br/colunistas/posts/45/karina-simoes

Photo
Nos acostumamos à violência?

Vivemos num tempo de insegurança e isto aumenta e alimenta a nossa "neurose" quanto à possibilidade de revivermos situações que deixaram marcas profundas.

O medo ganha espaço entre nós. Lá fora, leem-se e veem-se cenas de violência a cada esquina, aproximando a possibilidade de uma reedição de um trauma em pensamentos disfuncionais que geram a ansiedade e o comprometimento à saúde.  Paradoxalmente, certas violências ganham tons de normalidade.

Lembro de vários atendimentos a pacientes depois de terem sido assaltados e terem perdido seus pertences. Hoje, no entanto, sabemos de pessoas, todos os dias, que contam "tranquilamente" as vezes que foram assaltadas. Será que nos acostumamos à violência? Será que já não gera um dano psicológico às pessoas?

Bem, se por um lado torna real a hipótese de violência; por outro lado, tem sido comum quase todas as pessoas passarem por essa experiência de assalto e, para alguns, isso já não gera comprometimentos psicológicos maiores. Para outros, no entanto, essa vivência de violência pode sim acarretar sintomas significativos de possíveis prejuízos psíquicos graves.

Na clínica, o exercício da ressignificação do evento traumático por técnicas de revivência de experiências e técnicas da terapia cognitiva comportamental permite a nova organização do paciente. Pois, como mencionei acima, paradoxalmente, estamos nos deparando com pessoas que se acostumaram com a violência. Mas temos também muitos que chegam à clínica e se encontram, muitas vezes, num estado emocional bastante comprometido. Alguns já chegam com sintomas de TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático) instalado.

A instabilidade que vivemos hoje, bem como todo um contexto de insegurança, aguça o gatilho do Transtorno de Estresse Pós-Traumático ser instalado e desenvolver-se.

Reações emocionais como medo e revivência do trauma, estados de humor anedônicos ou disfóricos e cognições negativas, lembranças intrusivas e angustiantes são frequentes em pessoas com TEPT, assim como sintomas somáticos de taquicardia, pesadelos, crises de ansiedade, medo excessivo, etc.

Neste mundo, estamos sendo  levados a tornar comum o que um dia fora causa de adoecimento. Ouvimos: "Isto é um assalto. Passe-me o celular". Tranquilamente a vítima o entrega e segue seu caminho. Por vivenciarmos tanta insegurança e ocorrência já nos acostumamos a viver no caos e não mais adoecer. Esse fenômeno do não adoecimento diante do trauma tem chamado minha atenção na prática clínica, pois o TEPT ainda existe sim, e muito! Porém tenho centrado a atenção na versão paradoxal, em que faço um questionamento: estamos a nos acostumar com tanta violência? Em parte sim. E parece que "é o que temos pra hoje", como me dizem os jovens a quem eu atendo.


Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura

Photo
A interferência das redes sociais nos relacionamentos

Tenho percebido na minha prática clínica o fenômeno da interferência das redes sociais na vida das pessoas e, mais ainda,  nos relacionamentos afetivos. Se por um lado as ferramentas tecnológicas são responsáveis pela união amorosa de muitos, por outro lado, não é menos verdade que elas também vêm se tornando causa de vários conflitos nos relacionamentos sociais e conjugais.
A minha escuta na clínica evidencia que as redes sociais rompem contratos preexistentes entre os casais, ou seja, as regras são substituídas por novas práticas e isto desencadeia um desequilíbrio na relação. Casais que não tinham segredos passam a ter, e um "novo mundo" (o virtual) passa a existir entre eles. É como se um abismo fosse sendo construído no meio dessa relação, e havendo, cada vez mais, uma distância entre eles. As redes sociais são como vitrines a aguçar e estimular a fantasia das pessoas. Muitas vezes, escuto no consultório que as "redes sociais são como uma espécie de cardápio de pessoas", onde se pode estar a escolher o que visualmente vem a calhar ao agrado dos olhos de cada um. E isso desperta um interesse no outro, a ponto de poder culminar num suposto rompimento da relação.
Não se pretende aqui fazer qualquer juízo crítico positivo ou negativo acerca do uso das redes sociais, pois, como tudo, o mau uso depende do sujeito e não do objeto em questão. Entretanto lanço a reflexão de que talvez a dinâmica de as pessoas terem a maturidade de conversar e dialogar mais sobre o permitido e o não permito por cada um seja um caminho a prevenir tais desconfortos no futuro.
Ter ou não a senha de acesso às redes de relacionamento do cônjuge é assunto a ser definido pela realidade vivenciada de cada casal. Não há regras da felicidade para isso. Não existem receitas do certo e do errado nas etiquetas universais de relacionamento. Existem sim regras e etiquetas de cada casal, ou seja, o que serve para um pode não servir para o outro. Mas se faz necessário e saudável tentar estabelecer algumas regras afetivas internas e confortáveis para cada um. Estabelecer diálogos nas redes sociais, "curtir" fotos, manter uma conversa no chat, etc., têm sempre uma realidade particular de cada casal. Não será surpresa acontecer que, diante da variedade de pessoas que usam a rede, exista a possibilidade de alguma "investida" ou demonstração de interesse de terceiros diferentes da relação, possibilitando assim que possa entrar alguém a mais nessa relação. Esta atenção, portanto, deve ser observada.  Assim, essas "curtidas" em massa podem soar como um aceno de quem quer demonstrar algum interesse. Trata-se, pois, de uma nova linguagem e uma nova forma de se comunicar que vêm se estabelecendo nas relações sociais e afetivas. Aliás, isto tem sido objeto de repetidas escutas no meu consultório.
A tecnologia e suas inovações têm mexido em todas as áreas de nossas vidas. O aspecto afetivo das pessoas, por sua vez, não fica de fora; ao contrário, tem um destaque especial merecendo um olhar mais profundo sobre esse tema. Temos que refletir cada vez mais até onde estamos permitindo que haja interferências externas presenciais ou virtuais nas nossas relações e sabermos blindar numa visão ampliada de compreensão do que vem a ser a permissão dessa interferência. Fica a reflexão para todos e até o próximo texto!

Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura