Photo
Transgêneros ou Disforia de Gênero: uma realidade que merece respeito

Um tema que tem despertado as mais diversas opiniões é a questão dos transgêneros. Uma telenovela tem mostrado o drama de uma família que vive tal situação. Muitos usaram as redes sociais para "brincar"  com o fato. Vi postagens como: "sou trans-rico: nasci rico num corpo de pobre". Por favor, isto é sério. Não vamos brincar com a dor do outro. 
Na clínica, deparamo-nos e conhecemos situações difíceis, que somente quem escuta pode avaliar o tamanho do sofrimento pelo qual uma pessoa transpassa. 
São pessoas que  vivem grandes conflitos, inclusive no seio familiar, enfrentando barreiras existentes em si, bem como outras muito maiores na sociedade e na família. Não é nada fácil. Não cabe um juízo de valor sobre o assunto. Não há escolhas. Não há culpados. Não há julgamento a ser feito. Há uma verdade que no mínimo merece o respeito, bastando apenas ler os estudos científicos sobre o assunto. Ninguém gostaria de viver uma situação como essa que já é difícil e, notadamente, quando é agravada pela discriminação. 
Repito: não se trata de aprovar ou não aprovar a realidade do transgênero. Não estamos falando em alternativas, de acordo com a verdade científica. Aliás, o próprio Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais (DSM- V) registra como Disforia de gênero, que se refere ao descontentamento afetivo/cognitivo de um indivíduo com o gênero designado. Transgênero refere-se ao amplo espectro de indivíduos que, de forma transitória ou persistente, se identificam com um gênero diferente daquele do nascimento. Transexual indica um indivíduo que busca ou que passa por uma transição social de masculino para feminino ou de feminino para masculino, o que, em muitos casos (mas não em todos), envolve também uma transição somática por tratamento hormonal e cirurgia genital (cirurgia de redesignação sexual).
Estamos, portanto, falando de uma verdade que vai muito além de uma possibilidade em ser ou não ser "transgênero". Pois não se trata de uma escolha, como a comunidade científica nos atesta! 
Aos "trans-ricos" que brincaram com essa dor nas redes sociais, fica o meu respeitoso apelo para não brincarem com o que é muito sério. 
Talvez isso baste para sermos mais ricos ou menos pobres de alma. Acima de tudo, respeito pelo outro! 

Texto disponível também em minha coluna UOL: http://vyaestelar.uol.com.br/colunistas/posts/45/karina-simoes

Photo
Nos acostumamos à violência?

Vivemos num tempo de insegurança e isto aumenta e alimenta a nossa "neurose" quanto à possibilidade de revivermos situações que deixaram marcas profundas.

O medo ganha espaço entre nós. Lá fora, leem-se e veem-se cenas de violência a cada esquina, aproximando a possibilidade de uma reedição de um trauma em pensamentos disfuncionais que geram a ansiedade e o comprometimento à saúde.  Paradoxalmente, certas violências ganham tons de normalidade.

Lembro de vários atendimentos a pacientes depois de terem sido assaltados e terem perdido seus pertences. Hoje, no entanto, sabemos de pessoas, todos os dias, que contam "tranquilamente" as vezes que foram assaltadas. Será que nos acostumamos à violência? Será que já não gera um dano psicológico às pessoas?

Bem, se por um lado torna real a hipótese de violência; por outro lado, tem sido comum quase todas as pessoas passarem por essa experiência de assalto e, para alguns, isso já não gera comprometimentos psicológicos maiores. Para outros, no entanto, essa vivência de violência pode sim acarretar sintomas significativos de possíveis prejuízos psíquicos graves.

Na clínica, o exercício da ressignificação do evento traumático por técnicas de revivência de experiências e técnicas da terapia cognitiva comportamental permite a nova organização do paciente. Pois, como mencionei acima, paradoxalmente, estamos nos deparando com pessoas que se acostumaram com a violência. Mas temos também muitos que chegam à clínica e se encontram, muitas vezes, num estado emocional bastante comprometido. Alguns já chegam com sintomas de TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático) instalado.

A instabilidade que vivemos hoje, bem como todo um contexto de insegurança, aguça o gatilho do Transtorno de Estresse Pós-Traumático ser instalado e desenvolver-se.

Reações emocionais como medo e revivência do trauma, estados de humor anedônicos ou disfóricos e cognições negativas, lembranças intrusivas e angustiantes são frequentes em pessoas com TEPT, assim como sintomas somáticos de taquicardia, pesadelos, crises de ansiedade, medo excessivo, etc.

Neste mundo, estamos sendo  levados a tornar comum o que um dia fora causa de adoecimento. Ouvimos: "Isto é um assalto. Passe-me o celular". Tranquilamente a vítima o entrega e segue seu caminho. Por vivenciarmos tanta insegurança e ocorrência já nos acostumamos a viver no caos e não mais adoecer. Esse fenômeno do não adoecimento diante do trauma tem chamado minha atenção na prática clínica, pois o TEPT ainda existe sim, e muito! Porém tenho centrado a atenção na versão paradoxal, em que faço um questionamento: estamos a nos acostumar com tanta violência? Em parte sim. E parece que "é o que temos pra hoje", como me dizem os jovens a quem eu atendo.


Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura

Photo
A interferência das redes sociais nos relacionamentos

Tenho percebido na minha prática clínica o fenômeno da interferência das redes sociais na vida das pessoas e, mais ainda,  nos relacionamentos afetivos. Se por um lado as ferramentas tecnológicas são responsáveis pela união amorosa de muitos, por outro lado, não é menos verdade que elas também vêm se tornando causa de vários conflitos nos relacionamentos sociais e conjugais.
A minha escuta na clínica evidencia que as redes sociais rompem contratos preexistentes entre os casais, ou seja, as regras são substituídas por novas práticas e isto desencadeia um desequilíbrio na relação. Casais que não tinham segredos passam a ter, e um "novo mundo" (o virtual) passa a existir entre eles. É como se um abismo fosse sendo construído no meio dessa relação, e havendo, cada vez mais, uma distância entre eles. As redes sociais são como vitrines a aguçar e estimular a fantasia das pessoas. Muitas vezes, escuto no consultório que as "redes sociais são como uma espécie de cardápio de pessoas", onde se pode estar a escolher o que visualmente vem a calhar ao agrado dos olhos de cada um. E isso desperta um interesse no outro, a ponto de poder culminar num suposto rompimento da relação.
Não se pretende aqui fazer qualquer juízo crítico positivo ou negativo acerca do uso das redes sociais, pois, como tudo, o mau uso depende do sujeito e não do objeto em questão. Entretanto lanço a reflexão de que talvez a dinâmica de as pessoas terem a maturidade de conversar e dialogar mais sobre o permitido e o não permito por cada um seja um caminho a prevenir tais desconfortos no futuro.
Ter ou não a senha de acesso às redes de relacionamento do cônjuge é assunto a ser definido pela realidade vivenciada de cada casal. Não há regras da felicidade para isso. Não existem receitas do certo e do errado nas etiquetas universais de relacionamento. Existem sim regras e etiquetas de cada casal, ou seja, o que serve para um pode não servir para o outro. Mas se faz necessário e saudável tentar estabelecer algumas regras afetivas internas e confortáveis para cada um. Estabelecer diálogos nas redes sociais, "curtir" fotos, manter uma conversa no chat, etc., têm sempre uma realidade particular de cada casal. Não será surpresa acontecer que, diante da variedade de pessoas que usam a rede, exista a possibilidade de alguma "investida" ou demonstração de interesse de terceiros diferentes da relação, possibilitando assim que possa entrar alguém a mais nessa relação. Esta atenção, portanto, deve ser observada.  Assim, essas "curtidas" em massa podem soar como um aceno de quem quer demonstrar algum interesse. Trata-se, pois, de uma nova linguagem e uma nova forma de se comunicar que vêm se estabelecendo nas relações sociais e afetivas. Aliás, isto tem sido objeto de repetidas escutas no meu consultório.
A tecnologia e suas inovações têm mexido em todas as áreas de nossas vidas. O aspecto afetivo das pessoas, por sua vez, não fica de fora; ao contrário, tem um destaque especial merecendo um olhar mais profundo sobre esse tema. Temos que refletir cada vez mais até onde estamos permitindo que haja interferências externas presenciais ou virtuais nas nossas relações e sabermos blindar numa visão ampliada de compreensão do que vem a ser a permissão dessa interferência. Fica a reflexão para todos e até o próximo texto!

Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura

Photo
A "onipresença" da mãe

Ao ouvir uma frase de uma mãe, fiquei pensativa: "depois que a gente é mãe nunca mais consegue dormir". Ela se referia a ter um sono e desligar-se completamente nos braços de Deus. Falava que dormia, mas tinha aquele sono que a fazia ligada e com o sentido voltado em seu filho. Impunha-se uma vigilância, pois a qualquer tempo ele poderia acordar e ela deveria estar de prontidão para assisti-lo, caso isso viesse a acontecer a qualquer hora da madrugada.

A ansiedade é esse constante estado de vigilância que conecta a pessoa a uma situação de alerta que consome a energia e impede um descanso necessário à saúde. Mas é muito curioso o quanto não se fala dessa situação que causa stress. As mães não se sentem à vontade para falarem dessa realidade que as consome. Talvez temam as incompreensões e sejam julgadas como desprovidas de alma ou pouco amor aos seus filhos. O fato é que muitos pais e mães precisam saber é que a dificuldade de muitos relacionamentos tem como gênesis a imposição sobre-humana que tantas mães (e muitos pais) se submetem no descuido do cuidarem-se para poder cuidar. 

Imagina o que gera de alteração de humor passar anos sem ter direito a uma noite de sono sem a preocupação de estar vigiando seu filho? Imagina o funcionamento psíquico de quem está sempre em estado de alerta? Imagina como é difícil depois de tanto tempo vivendo assim (e disso se fazer dependente) ver os filhos crescerem e, em sua autonomia, não mais aceitarem esse cuidado, que para eles passa a ter o nome de "controle". Adolescentes odeiam ser "controlados". Tantas mães são uma fábrica de ansiedade aprendida na vida.

É preciso ter muito cuidado com a dinâmica do cuidar. Santo Agostinho dizia que ninguém tropeça em montanha, mas em pequenas pedras. Estamos acostumados a pensar que muitos transtornos vêm de situações traumáticas, mas um outro caminho bem possível para o desenvolvimento de enfermidades é o estilo de vida que nos impomos no cotidiano e nas coisas que parecem simples.

Mães e pais (que cuidam) precisam descansar. Uma boa noite de sono pode render frutos de amor e tolerância bem maiores que uma noite de vigília. Tornar o filho autônomo para enfrentarem, em seus próprios quartos, a travessia de uma noite precisa ser o grande desafio dos pais.

Mães precisam dormir para continuarem sonhando com uma vida plena de amor e de cuidado... sem culpas!

Por: Karina Simões Moura de Moura
@karinamourademoura

Photo
Suicídio de jovens: a culpa é dos pais? 

Uma polêmica tem tomado conta das redes sociais, precisamente quanto à questão do suicídio envolvendo crianças e adolescentes. A mídia tem responsabilizado o jogo "baleia azul" e o seriado da Netflix intitulado "Thirteen Reasons Why" pelo aumento de suicídio envolvendo jovens. 
 
Com o surgimento desse fenômeno, opiniões divergentes apareceram acerca da publicidade do suicídio na mídia. Os defensores falam da importância de alertar pais e adolescentes para que se evite o aumento desse quadro desolador na estatística. No entanto, por outro lado, cientistas, a própria ONU e a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) têm alertado para o perigo de que a divulgação pode sim gerar o efeito de estímulo à prática do suicídio. 
 
Foi possível se ver, igualmente, várias postagens em redes sociais responsabilizando os pais diante do fenômeno do aumento de suicídio. Afirma-se que os pais têm sido negligentes nos cuidados e acompanhamento dos seus filhos hoje em dia. Consequentemente, movido por esse desamparo afetivo, o adolescente desencadeou o uso excessivo da internet, o qual tem gerado vários transtornos psíquicos.  Será mesmo que encontramos o grande vilão responsável por tamanho adoecimento emocional familiar? Gostaria de fazer um contraponto ou um questionamento sobre o assunto. Esta geração, notadamente quanto aos pais, tem desempenhado um papel que talvez em gerações anteriores não se observava.  É difícil imaginar que há duas ou três gerações passadas pudesse se ver facilmente um pai preparando uma mamadeira, dando banhos em seus filhos ou mesmo trocando fraldas. Via-se então nas gerações passadas o pai participativo na vida emocional desses filhos e eram pais extremamente afetuosos? Pais que dividiam tarefas com as mães? Acho mesmo que precisamos refletir e julgar menos esses pais. Tal fato, hoje, não é tão incomum. Questiono as afirmações de que os pais negam mais afeto aos filhos do que em gerações anteriores. Hoje percebemos muito mais a presença desses pais tanto na participação de cuidados aos filhos quanto na presença nas atividades escolares, por exemplo. Percebo na clínica a maior preocupação desses pais com a educação e o equilíbrio emocional desses filhos. É notável enxergarmos que a participação masculina na criação afetiva aumentou bastante nos últimos 10 anos, pelo menos. Ou seja, os pais da atual geração participam muito mais efetivamente da vida dos filhos em detrimento dos pais de gerações passadas. Mas, é verdade que a modernidade nos trouxe novos desafios, pois a internet com os seus atrativos tem formado e educado os filhos com muito mais intensidade, eficiência e prazeres. E isso demanda um controle por parte desses pais, bem como uma exigência redobrada no processo de formação dos filhos. É evidente que não defendo a negligência quanto ao processo de educação e formação dos filhos, principalmente, diante dos novos desafios e atrativos da modernidade, como a internet. Entretanto, penso ser injusta e equivocada a responsabilização total dos pais quanto ao fenômeno do suicídio ou do "baleia azul", pois os filhos atuais são amados com o mesmo ou talvez maior cuidado que os de gerações anteriores, onde não existiam tais jogos, por exemplo.
 
O fato é que os recursos tecnológicos têm desafiado a própria questão ética de um limite para além de uma possibilidade humana. A tecnologia encanta e traz atrativos que envolvem as crianças, os adolescentes e também os adultos. Quem é mãe e pai bem sabe o que estou falando.  Os pais atuais amam seus filhos sim, dedicam-se aos seus filhos, fazem tudo o que podem e algo mais. Observo nitidamente na clínica eles me trazerem a sensação de que quanto mais fazem, mais se sentem culpados e, dessa forma, não precisa que alguém ainda venha dizer que a culpa é totalmente deles! Como se diz no senso comum: "A culpa é da mãe"! Brincadeiras à parte, os pais já carregam culpas demais diante de toda história da humanidade.  Assim, tirem os pais do banco dos réus ou ao menos sejam justos em admitir que os pais, dentro de seus limites, fazem de tudo para verem seus filhos crescerem saudáveis. 

Respondendo à pergunta que gerou o título deste artigo: não, a culpa não é dos pais!!! Num mundo onde a virtualidade se confunde com a realidade não é uma questão de culpas, mas de um novo desafio onde os pais têm que buscar novas alternativas para a competição desigual com as fascinantes ferramentas tecnológicas. 

Por: Karina Simões Moura de Moura
Instagram: @karinamourademoura